domingo, 8 de novembro de 2009

- Amor de Mãe


Toda menina já nasce sabendo segurar uma boneca.Se tornar mãe está no sangue e no sonho da maioria delas.Não importa como vai ser,biologico ou de coração.


Quando esse momento chega,ela esquece que tem uma vida e passa a viver só para aquele brotinho que nem nome tem.


Com todo cuidado elas ensinam passo a passo as leis da vida.Primeiro as coisas boas,segundo as complicadas de se entender e a terceira ela deixa pra vida mostrar.


Seus olhos de águia estão sempre atentos,não permitem que o mal chegue perto de seu tesouro.

Com seus braços fortes feito rochas,seguram,apontam e fazem ninar.


Embalam sonhos,contam histórias,nos protegem a qualquer custo.Explicam sobre garotos,amizades e particularidades.


Em suas doces lágrimas mostram seus sinceros sentimentos,como o desejo de nos ver crescer,mas uma dorzinha de nos ver partir.


Querem que a gente cresça,mas que nao deixemos de ser suas eternas menininas.

Em suas rezas estamos sempre presentes.Seja para irmos bem no estudo ou para pedir proteção.


De protetoras,amigas,algumas rivais,elas sempre serão mães e um dia nós também entenderemos esse sentimento forte e bonito.


Daremos a razão as diversas broncas,trocas de nomes e preocupações.Afinal,mãe é mãe!


Catarina Ribeiro


domingo, 1 de novembro de 2009

Crianças de hoje não tem cara de criança


Cirandas,pique-esconde,brincar de casinha,jogar amarelinha eram coisas que eu e meus irmãos faziamos quando eramos mais novos.Nos divertiamos muito,nem viamos que o tempo passava.


Celulares,internet,status,enfim,modernidade,são as novas brincadeiras das crianças de hoje.Falar o que faziamos antigamente virou motivo de piada.


Nossos pensamentos eram inocentes,vivíamos um dia de cada vez,sem nos preocupar com o amanhã,Hoje elas querem que o tempo passe,querem crescer e não gostam de ser chamadas de crianças.


Nossas mãos se uniam para montar uma grande roda,no embalo de músicas,risos de alegria.Hoje elas estão ocupadas,com enfeites,anéis e controles remoto.


Tinhamos pernas firmes,prontas para correr.Alguns roxos e cicatrizes que nos trazem lembranças de algumas travessuras.Hoje elas ficam paradas,cruzadas porque o comodismo e o sedentarismo tomam conta.


As palavras era doces e musicais,adoravamos desenhas,mesmo que só rabiscos,soltar pipa e brincar com nossos amigos de infancia.


Tudo isso trocado pelo "mundo moderno".As crianças de hoje não sabem o que é ter um amigo de verdade.A inveja predomina,porque aquela coleguinha tem um celular da moda ou um computador de última geração.


Meninas que escondem seus rostos puros em maquiagens que as tranformam em mulheres,marcam hora em salão de beleza e esquecem suas bonecas em cima da cama,usam saltos onde não conseguem se equilibrar.


Querem aprender ingles,frances e alemão.No lugar de lancheiras,bolsas com carteira e cartão de credito.


Não sabem o que é ser criança,são mini adultos.A sorte é qua quando a noite vem,elas adormecem e no sonho podem brincar com seus heróis e ser criança.


Catarina Ribeiro